Vivendo em 10m2.

O segundo momento desapego, na prática, foi quando mudamos de Bournemouth, no sul da Inglaterra, para Londres. Tínhamos que ser econômicas e conseguimos a indicação para alugarmos um quarto na casa de alguém.

O quarto tinha no máximo 10m2. E lá vivemos por quase um ano! Só tinha uma cama e um colchão. Éramos duas e havia um revezamento, semanal,  entre quem dormia na cama e quem dormia no chão. Um armário de duas portas. Sim, duas portas para duas pessoas, portanto não precisamos dizer que tínhamos o absolutamente indispensável. Uma cômoda antiga, com 4 gavetas e só!

Vivemos muito bem, obrigada. Sem sombra de dúvidas, o espaço delimita a quantidade de coisas que a gente precisa ou pode ou quer ou vai comprar.Mas o exercício de viver com menos é libertador. Você organiza melhor seus itens se estiverem à vista. Você pensa menos e perde menos tempo para se arrumar.

Então é possível viver com menos? A resposta que já sabemos é: sim!

Por que deixar para refletir sobre isso quando estamos mudando de casa, por exemplo. Por que não podemos ter mais consciência sobre o que nos move, o que nos faz feliz e consumir menos e com mais sabedoria. Sim, sabedoria! 

Hoje vejo os studios de 19m2 sendo vendidos “como água”e penso que é muito factível de fato.

Não digo que é fácil, toda mudança de hábito exige muito do nosso cérebro, mas com a nossa ajuda é possível repensar sua vida de uma forma mais simples, que não tem nada de básica mas vai te deixar mais leve.

Vem com a gente!

 

 

Hábitos de gente organizada ;)

Se você é aquela pessoa que sempre encontra a chaves do carro, nunca esquece de pagar uma conta e tem uma lista de compras impecável, você está dentro do percentual da população considerada organizada. Eu não diria que isso significa “ser organizada por natureza” e sim, por hábito.

Vivendo no piloto automático

Através de estudos da neurociência, sabemos que quando estamos vivendo no piloto automático, o córtex pré-frontal está desabilitado, por isso é tão difícil abandonar hábitos ruins, porque o nosso cérebro foi programado para trabalhar em modo de economia de energia. Ele não quer mudar e vai fazer de tudo para desistirmos disso.

O córtex pré-frontal é a região cerebral relacionada ao planejamento de comportamentos, pensamentos complexos e tomada de decisões. Ele é responsável pelo discernimento, por regular emoções, inibir impulsos, modular o medo, fazer análise de riscos e pelo autocontrole.

Esforço Consciente

De acordo com a estudiosa americana, Debbie Hampton, quando tentamos adotar um novo comportamento pela primeira vez é preciso inserir o esforço consciente, a intenção e o pensamento no processo. Quando já executamos a nova rotina o suficiente para que as conexões sejam feitas e fortalecidas em nosso cérebro, o comportamento exigirá menos esforço, já que se torna padrão.

Quanto mais realizamos uma ação ou nos comportamos de uma determinada maneira, mais ela fica fisicamente conectada ao nosso cérebro. A esta qualidade adaptativa, chamamos de neuroplasticidade intencional – o cérebro forma conexões neurais com base no que fazemos repetidamente em nossa vida, seja bom ou ruim. Toda vez que agimos da mesma maneira, um padrão neural específico é estimulado e se fortalece.

A verdadeira mudança leva tempo, mas vale a pena!

Quando instalamos novos hábitos mais robustos que os anteriores para a mesma função na área inconsciente do cérebro conseguimos ver a mudança e, de acordo com um estudo realizado por Phillipa Lally, da University College of London, isso leva em média 66 dias. 

Vamos tentar exercitar mais nosso cérebro e criar novos e bons hábitos? 

 

Desapego na bagagem.

Acho que meu primeiro momento desapego, na prática, foi fazendo um “mochilão” pela Europa. 

Estamos falando de 1995 e acreditem não existia tanto brasileiro, como hoje, viajando pelo mundo. Era muito caro! Além disso, não tínhamos internet, muito menos smartphones, nem rede social. Como era possível? Rsss. 

Eu diria que era uma coisa “na raça”. Mas, o ponto aqui é o desapego. Quando você viaja com mochila por semanas, você tem que ser muito preciso no que você vai usar ou necessitar e ai a coisa pega. Você se vira com o que tem. Usa e lava ou, às vezes, não lava e usa.

Por que mesmo precisamos carregar peso? E aqui falo nos dois sentidos. Um, pela dor nas costas que causa, já que a mochila tem que ser carregada (óbvio) e tem que ser deslocada em estações de trem, de metrô, dentro de albergues onde você tem que colocar a sua mochila nos suportes superiores para não atrapalhar a pessoas. E haja braços! Dois, o peso de carregar o mundo nas costas, como diz o ditado. Por que temos que fazer isso na forma de coisas e pessoas que não fazem mais sentido para nós?

Fica a reflexão! Hoje existe muita gente compartilhando histórias e queremos compartilhar a nossa para ajudar você a usar a consciência e começar a desapegar.

Estamos aqui para te ajudar a ficar mais leve!

Signos na Organização

Todo mundo sabe que os signos demonstram muito da nossa personalidade e isso pode ser aplicado em várias frentes. Recentemente assiti um video sobre os signos na decoração e achei bem interessante. Fui então atrás de informações sobre os signos na organização. Veja se você se identifica:

Aries – práticos não gostam de bagunça

Touro – apegados aos objetos tem tendência a acumular e procrastinar

Gêmeos – normalmente desorganizados, mas quando decidem organizar fazem rápido e bem feito

Câncer – organizados até demais…porém, tendem a acumular coisas devido ao lado afetivo

Leão – buscam organizar de forma criativa, mas não gostam muito de por a mão na massa

Virgem – extremamente organizados, detalhistas e perfeccionistas

Libra – mesmo não gostando de bagunça, não gostam de tarefas domésticas e são indecisos no descarte

Escorpião – conservadores e organizados não se incomodam em descartar o que não usam

Sagitário – adoram mudanças, mas não se incomodam com a bagunça

Capricórnio – não suportam bagunça…organização e limpeza fazem parte da sua vida

Aquário – Nem bagunceiro, nem organizado, usam a tecnologia para ajudar na organização

Peixes – Signo considerado o mais desorganizado e propenso ao acúmulo de coisas

Eu como pisciana, não me enquadro nessa descrição. Além de organizada, adoro um descarte rsrsrs. Será que a influência do ascendente pode ser a explicação!

 

Desapegar é viver melhor!

No dicionário, desapegar é: fazer perder ou perder o envolvimento, a dependência ou o compromisso com; afastar(-se), libertar(-se).

Dependência! Ficamos dependentes de hábitos criados acreditando que isso faz parte do nosso eu, de quem somos. Isso afeta nosso comportamento, sem que a gente se de conta.

E por que isso acontece?

Nosso cérebro sempre vai procurar o caminho mais fácil para poupar energia, ele busca as redes neurais mais usadas, que infelizmente dificultam a mudança para uma nova forma de comportamento. Mudar exige um esforço muito grande do ser humano, mesmo quando te faz sofrer.

A mudança deve começar pela consciência. Você precisa quebrar essa lógica enraizada. E a raiz dela é o apego.

Libertar-se! Por que resistimos tanto a desapegar? Por que queremos manter objetos que não usamos e não fazem mais sentido, objetos que estão guardados há anos, roupas que não servem mais, roupas que nunca foram usadas…

Vivenciamos muito isso no dia a dia das pessoas: uma vontade de viver com menos, mas a resistência em começar pra valer.

Não desanime. Existem pessoas que podem ajudar nesse processo com experiências positivas e que podem servir de inspiração.

Por enquanto, comece comprando menos. Sim, é possível! Observe tudo que você já tem e questione cada compra nova com a famosa frase: eu preciso mesmo disso? Lembre-se do cérebro preguiçoso. Traga para a consciência o seu desejo de mudar seus hábitos, para desapegar do que realmente não faz mais sentido.

Vai dar certo!

Dentro ou fora da Geladeira?

Acredito que você já se questionou em algum momento, o que deve ou não ser guardado na geladeira. Tomates, por exemplo, você mantém dentro ou fora?

Eu sempre coloquei tomates na geladeira, mas para minha surpresa descobri que ele deve ser mantido fora e de cabeça para baixo. A refrigeração estraga essa fruta mais rapidamente e altera o sabor natural.

Afinal frutas e legumes devem ou não ser mantidos na geladeira? 

De forma geral os legumes devem ser refrigerados (aqui vale uma ressalva quanto a cenoura que deve ser mantida no saco plástico para manter a textura), quanto as frutas, depende…  morango, uvas, melão e abacaxi (após abertos) devem ser refrigerados, já outras frutas tanto faz.

Normalmente deixamos fora até amadurecerem e então levamos a geladeira para aumentar a durabilidade da fruta. 

A cebola e o alho devem ficar fora em local ventilado e de preferência longe das batatas, pois apodrecem mais rapidamente.

Então vamos lá…

Na geladeira: legumes,cogumelos, morango, uvas, abacaxi e melão além da melancia após cortados. E também os ovos, evitando a porta.

Fora da geladeira: cebola ,alho,batata, tomate, abóbora, caqui e banana (evite a proximidade com outras frutas, pois acelera o amadurecimento).

Tanto faz: pera, ameixa, pêssego, abacate, mamão, carambola, figo, kiwi, manga, nectarina e limão. Lembrando que podem ser refrigeradas depois de amadurecidas para aumentar a durabilidade.

Já o pão, café e o açucar, que algumas pessoas costumam levar a geladeira, devem ser mantidos fora, pois a baixa temperatura altera o sabor. 

Foto: Reprodução

Desafio da quarentena

A quarentena mudou radicalmente o dia a dia das pessoas. Ficar em casa está sendo um desafio, para alguns ainda maior. Mas uma coisa fica clara, estamos mais empáticos. Muitas pessoas declaram que, de fato, não tinham ideia do volume do trabalho doméstico. A roupa passada sempre arrumada e organizada, cheirosa e passada; as coisas todas no seu devido lugar, a cozinha e a lavanderia em ordem; o quarto das crianças limpo e organizado com os milhões de brinquedos guardados e por ai segue.

Enquanto alguns estão nos  escritórios, do mundo corporativo ou não, outros estão na casa da gente cuidando do nosso bem estar.

Entender o ponto de vista do outro ou mesmo estar na pele dele é o melhor jeito de se relacionar de igual para igual. Esse é o verdadeiro aprendizado da empatia.

Ai eu pergunto, podemos deixar a casa melhor sempre? Podemos aprender, com essa quarentena, que pequenos atos de organização ajudam a rotina da casa e a vida de todos?

Então, é para isso que estamos aqui. Vamos colocar pílulas de organização e desafiar você a começar ou melhorar a organização da sua vida, começando pela sua casa.

Espero que goste. Siga a gente no Instagram e Facebook.

Dispense o supérfluo!

Uma coisa boa da pandemia é entender que podemos viver com bem menos. S I M P L I C I D A D E.

Vestimos um par de roupas, estamos de chinelos, não pintamos o cabelo ou fazemos a unha, estamos sem empregadas e trancados em casa.

Claro que sentimos falta de várias dessas coisas, mas com certeza, a pandemia provou para todos, globalmente, que é possível viver e sobreviver com muito menos.

Ser consciente com relação a isso é muito importante porque o planeta não vai, de fato, aguentar o ritmo de consumo do hoje.

A pandemia nos ensina compaixão e como diz Domeniso de Masi, sociólogo italiano, “a pandemia está nos ensinando que as necessidades radicais de introspecção, amizade, amor, jogo, beleza e criatividade são muito mais importantes do que as necessidades alienantes de poder e dinheiro. Está nos ensinando que para satisfazer as necessidades radicais, não precisamos ter dinheiro, mas de sentido de humanidade”.

E isso tem tudo a ver com o que a gente pensa. Temos que ter mais consciência sobre nossos atos. A pandemia está nos ensinando a viver com o essencial. Ter um olhar do que já não serve mais para a sua vida é um exercício muito poderoso, para o agora. Isso vale para coisas, mas também para pessoas.

Comece devagar, mas comece. Veja o que não faz mais sentido para você e descarte, recicle, doe, organize e mantenha o que importa, o que é essencial e o que te faz realmente feliz! 

Estamos aqui para te ajudar no que for preciso 😉 

 

A mente organizada

A Life Organized nasceu para ajudar as pessoas a cuidar da vida e assim organizá-la, tendo mais tempo para fazer o que gostam ou o que precisa ser feito.

Lembro de um dia, antes do Natal de 2014, comprei o livro The Organized Mind (A mente organizada). O livro é escrito por Daniel J. Levitin, Professor de Psicologia e Neurociência do comportamento. Nele, ele explica como o cérebro funciona e como podemos fazê-lo funcionar melhor e, ir além, achar tempo para fazer as coisas que a gente realmente precisa e quer fazer. Bingo!

Em tempos de quarentena, nada melhor do que rever os conceitos que os psicólogos cognitivos já provaram: nossa memória não é confiável e às vezes confiamos a dispositivos externos (smartphones e até funcionários),  grande parte do processamento que em geral nossos neurônios fariam.

Hoje, com a quantidade inacreditável de informação, todo esse processo de ignorar coisas e optar por outras, tem um custo. Os neurocientistas descobriram que a falta de produtividade e de motivação pode ser resultado da sobrecarga de decisões. No nosso cérebro, a rede de tomada de decisões não determina as prioridades.

Se organizarmos nossa vida e a nossa cabeça, seremos capazes de ter mais tempo livre para focar no que interessa.

O fato é que, o cérebro não é organizado da mesma maneira que você gostaria de ter sua casa, armário ou escritório organizado. Portanto, você não pode largar as coisas por ai. Precisamos assumir o controle de nossos sistemas de atenção e memória e ajudá-los a encontrar as coisas de maneira mais fácil.

Aprendemos que organização vai muito além do organizar a casa. Quando você faz isso, você começa a melhorar vários aspectos da sua vida e se você for um “bom aluno”, você leva isso para tudo que você faz e para sempre.

Aproveite que você está em casa e olhe para uma gaveta que está com coisas acumuladas e organize. Você vai sentir a diferença imediatamente e vai perceber o bem maior que é saber onde as coisas estão, e para que servem, quando estão no lugar certo.

Hoje há uma infinidade de produtos organizadores e profissionais qualificados para ajudar você nessa tarefa. Comece devagar, mas comece.

É mais fácil do que podemos imaginar. Estamos aqui para ajudar!

 

Em tempos de quarentena …

Já que a atual situação nos fará ficar em casa por alguns dias, porque não aproveitar esse tempo para organizar a casa!

Além de ajudar a passar o tempo, é excelente para abrir mais espaço nos armários, para desapegarmos daquilo que não precisamos mais e claro, deixar a energia circular melhor pela casa.

Aqui vão algumas dicas para te ajudar no processo:

  • Defina um ambiente por vez, não queira fazer tudo de uma vez que não será produtivo.
  • Abra todos os armários e planeje mentalmente onde seria o local mais apropriado para organizar cada coisa. Esse critério pode variar muito de pessoa para pessoa, mas você deve se lembrar sempre  que o que é usado no dia a dia deve estar em local de fácil acesso e os locais de mais difícil acesso, como prateleiras mais altas, quina de armários, maleiros etc. devem ficar os itens que usamos esporadicamente.
  • Tire tudo dos armários e divida em categorias de acordo com o que está sendo organizado (se for roupas divida em camisetas, calças, saias etc… se for na cozinha em pratos fundos, sobremesa, copos altas, copos baixos e assim por diante)
  • Descarte tudo aquilo que você não usa mais, nunca usou ou tem em excesso
  • Separe o que precisa de conserto
  • Limpe cuidadosamente os armários e/ou estantes antes de organizar os itens novamente, lembre-se de não deixar úmido para evitar o mofo
  • Organize os itens de volta ao armário separando por categorias
  • Tudo deve ter um lugar e após o uso deve voltar ao lugar de origem, essa é a regra básica para manter tudo em ordem.

Então mãos a obra… aproveite sua quarentena e deixe sua casa organizada!