Quais comprovantes devemos guardar?

Algumas semana atrás, estava organizando o escritório de uma cliente e ela me questionou o que deveria manter e o que poderia ser descartado.

Como essa é uma dúvida recorrente na hora de organizar os documentos, vou retomar aqui quais comprovantes precisamos arquivar e por quanto tempo.

–   luz, água, TV, telefone: de acordo com a lei 12.007, empresas prestadoras de serviços são obrigadas a enviar no mês de maio, o recibo de quitação anual. Portanto guarde as contas por 1 ano até receber os recibos de quitação, depois guarde esses recibos por 5 anos.

– IPTU/IPVA: 5 anos

– Imposto de Renda: 5 anos

– condomínio: guarde durante o período em que permanecer no imóvel.

– consórcio: até a quitação

– escola: 5 anos

– cartão crédito: 5 anos

– seguro: guarde a proposta e a apólice, já os comprovantes de pagamento mantenha por mais 1 ano após o tempo que estiver vigorando

– convênio médico: guarde a proposta o contrato e os recibos referentes aos 12 meses anteriores ao último reajuste por todo período de contratação

– nota fiscal e certificado de garantia: durante toda a vida útil do produto ou serviço

– recibo de empregadas: 5 anos

– holerites: 5 anos

– documentos do veículo: multas -2 anos, licenciamento e seguro obrigatório – 1 ano. Atenção o certificado de compra e venda deve ser guardado até que o veículo seja vendido.

– Aluguel: pagamentos mensais por 3 anos e o contrato de locação 3 anos após receber o termo de entrega das chaves

– Compra de imóvel: proposta, contrato e comprovantes de pagamento devem ser mantidos até a escritura ser lavrada e registrada em cartório

– Comprovante de pagamento de hotéis e pousadas: 1 ano

Agora que você já sabe o que manter, não tem mais desculpa para adiar a organização do seu escritório. Mãos a obra!

Minimalismo através do Hanami

O termo minimalismo tem sido muito falado e explorado ultimamente. Acho que o momento atual contribui, pois em época de dinheiro curto e emprego escasso, viver com menos é uma alternativa ou mesmo uma boa solução.

Tenho lido bastante sobre o assunto, ainda vou voltar a falar sobre isso aqui, mas achei interessante que um dos autores traça um paralelo entre a Cherry Blossom, ou Flor de Cerejeira (também conhecida como Sakura) com a vida minimalista. Ele diz que o  HANAMI, que é costume tradicional japonês de contemplar a beleza das flores, nos ensina sobre a vida minimalista:

  1. Procure a beleza na natureza e não em lojas – ao invés de encher a casa com objetos decorativos procure na natureza satisfazer o desejo de beleza estética
  2. Aprecie as coisas sem possuí-las
  3. Siga o fluxo – deixa as coisas acontecerem, não tente controlar tudo e todos
  4. Nada dura para sempre – as melhores coisas da vida são passageiras
  5. Deixe as coisas ” irem”, ou seja, se desfaça das coisas antes delas deteriorarem. As flores da cerejeira caem quando ainda estão belas, antes de estragarem.

Acho que são bons pontos de reflexão para o nosso dia a dia.